Top 100 MilkPoint 2017: contrários à queda no volume de leite inspecionado em 2016, maiores produtores crescem - Coopatos
Conecte-se
  • Requeijão Cremoso
  • Quack
NOSSAS MARCAS

Top 100 MilkPoint 2017: contrários à queda no volume de leite inspecionado em 2016, maiores produtores crescem

11/04/2017

O MilkPoint realiza desde 2001 o levantamento Top 100, que reúne os 100 maiores produtores de leite do Brasil.

Top 100 MilkPoint 2017: contrários à queda no volume de leite inspecionado em 2016, maiores produtores crescem

O MilkPoint realiza desde 2001 o levantamento Top 100, que reúne os 100 maiores produtores de leite do Brasil. O Top 100 MilkPoint 2017 tem como base as maiores fazendas leiteiras do ano de 2016. Para esse levantamento contamos com a colaboração de centenas de leitores, o que tornou possível obter as informações necessárias para a publicação da listagem dos 100 maiores produtores de leite.

Esta iniciativa contou com o apoio das empresas Elanco Saúde Animal, CRV-Lagoa e Tortuga/DSM, às quais agradecemos pela viabilização do levantamento.

Segundo o coordenador da pesquisa, Marcelo Pereira de Carvalho, nesta edição, o crescimento dos Top 100 mostra que no âmbito dos grandes produtores de leite, está ocorrendo um processo de tecnificação, aumento de escala e profissionalismo. De acordo com ele, esse movimento se intensificará nos próximos anos, mesmo que os 100 maiores hoje representem uma pequena parcela do total do leite brasileiro.

"Além dos 100 maiores - que são a ponta do iceberg - é notável um processo de profissionalização no setor leiteiro como um todo, em que produtores familiares estão se modernizando e aumentando a eficiência. Produtores de todos os portes vêm buscando aumento de escala, o que nos faz concluir que os Top 100 representam de alguma forma o que está acontecendo no Brasil".

Veja a seguir alguns dos principais pontos do Levantamento Top 100 MilkPoint 2017:

● Os 100 maiores produtores de leite em 2016 apresentaram produção média de 16.179 litros/dia, volume cerca de 4,5% superior à média dos 100 maiores produtores de 2015.

● 54% dos produtores consideraram a rentabilidade da atividade leiteira em 2016 melhor do que a média se comparada a outros anos; 36% afirmaram que esteve na média e apenas 10% a consideraram pior que a média.

● Os custos operacionais de produção apresentaram aumento de 5% entre os produtores Top 100 e 59% das propriedades tiveram custo operacional médio acima de R$1,10/litro.

● Novamente Minas Gerais é o estado com maior número de fazendas presentes no Top 100, com 44 propriedades (cinco a menos que no ano passado). Em segundo lugar aparece o estado do Paraná, que teve 18 fazendas entre os 100 maiores produtores de leite (duas a menos que no último Top 100) e, em seguida, o Rio Grande do Sul, que apresentou 8 fazendas.

● Entre os 10 produtores com maiores aumentos na produção diária, 3 são da região Sudeste (todos em Minas Gerais), outros 4 da região Sul (2 no Paraná e 2 no Rio Grande do Sul), 1 da Bahia e 2 de Goiás.

● A raça holandesa permanece sendo a mais utilizada nas propriedades, estando presente em 76 fazendas do Top 100.

● A Itambé apresentou o maior número de fornecedores entre os Top 100, somando 18 fazendas. Em seguida vem o Pool Leite (entidade de produtores, operada pelas cooperativas Castrolanda, Frísia e CAPAL, que agrega a comercialização do leite de 8 cooperativas) com 14 fazendas. Na sequência, a Danone e a Piracanjuba, com 14 e 12 fornecedores respectivamente.

● Este ano, 10 participantes do Top 100 possuem laticínio próprio. Entre eles, apenas 4 estão no Top 10.

● Novamente a maior fazenda produtora de leite do Brasil em 2016 foi a Fazenda Colorado. Ao contrário de 2015, quando apresentou uma redução de 3,4% na produção, este ano a Colorado teve aumento de 4,2% no volume produzido diariamente, totalizando 63.133 litros/dia.

Nota: Na última sexta-feira, o MilkPoint divulgou o relatório Top 100 2017, um levantamento sobre os 100 maiores produtores de leite do Brasil. Devido à necessidade de atualização de algumas informações que constam no relatório, sugerimos que você refaça o download do arquivo, no link abaixo. Pedimos desculpas pelo ocorrido e agradecemos a sua compreensão.